Boeing enviou documentos incompletos para jatos 787, disseram fontes da FAA

Boeing enviou documentos incompletos para jatos 787, disseram fontes da FAA

  • A Boeing apresentou documentos incompletos para seu 787, disseram fontes da FAA à Reuters.
  • Cerca de 100 jatos no valor de US$ 12,5 bilhões estão estacionados desde maio do ano passado.
  • A Boeing disse aos investidores que inspeções e reparos custaram US$ 5,5 bilhões até o momento.

A Boeing apresentou documentos incompletos aos reguladores para seus jatos 787 Dreamliner, que foram suspensos por um ano por questões de segurança e produção, dizem relatórios.

Fontes da Administração Federal de Aviação (FAA) disseram à Reuters que o regulador identificou “várias omissões” em documentos enviados pela Boeing em abril e devolveu vários para conclusão, lançando dúvidas sobre a eventual data de entrega da aeronave e ampliando a segurança mais ampla. preocupações.

Os jatos 787 da Boeing valem US$ 12,5 bilhões, com 100 dos Dreamliners de corredor duplo estacionados em estoque por um ano, enquanto a empresa lida com inspeções e reparos que estima ter custado até US$ 5,5 bilhões.

Uma fonte disse à Reuters que era muito cedo para ter certeza se a última edição levaria a mais atrasos nas entregas.

A Boeing e a FAA não responderam imediatamente aos pedidos da Insider para esclarecer as omissões fora do horário normal de trabalho. Um porta-voz da FAA disse à Reuters que “a segurança impulsiona o ritmo de nossas análises”.

Na teleconferência de resultados do primeiro trimestre de 2022 da empresa em 27 de abril, o presidente-executivo da Boeing, Dave Calhoun, chamou a apresentação de “um passo muito importante” na retomada da entrega de 787s, pois também continua a lidar com problemas em torno do 737 Max, envolvido em dois acidentes fatais em 2018 e 2019.

A empresa tem acordos com várias companhias aéreas para seus 787, incluindo a Virgin Atlantic, e, de acordo com seu site, tem uma carteira atual de 405 jatos. Ele indicou que a produção foi interrompida até que pudesse limpar o backlog.

A Boeing interrompeu as entregas de seu 787 em maio de 2021, depois que a FAA propôs preocupações sobre o método de inspeção do jato, citando lacunas inaceitáveis ​​entre as fuselagens.

Em fevereiro, o regulador disse que não deixaria o fabricante certificar novos 787s para voo até que “o controle de qualidade e os processos de fabricação da Boeing produzam consistentemente 787s que atendam aos padrões de design da FAA”, indicando que inspecionaria todos os jatos para aprovação.

Nesta semana, o diretor financeiro da Boeing, Brian West, estava otimista sobre o progresso da entrega do 787 quando falou em uma conferência da Goldman Sachs.

“Esta apresentação do plano de certificação foi um marco importante e reflete um conjunto abrangente e muito completo de documentos que verificam se estamos em conformidade”, disse West.

Ele acrescentou: “E houve uma enorme quantidade de trabalho nisso, trabalhando lado a lado com a FAA ao longo do caminho”.

Leave a Reply

Your email address will not be published.